Vai à merda!

Naquele dia podia ter-te dito que o nosso amor já não me fazia nem viver nem respirar, mas ao invés preferi o silêncio. Não sei porquê. Há coisas em nós que desconhecemos ou que queremos desconhecer, como se um outro eu, poderoso, comandasse mais do que nós. Deve ser o medo, ou esta educação filha da puta que tivemos, ou as duas coisas. Também nunca te disse - ou disse ?- que nunca gostei de viver nesta casa, nem nesta cidade, e ainda menos nesta vida. Não que não goste de viver. O que não gostei foi de viver na tua loucura, no teu egoísmo, nas tuas desculpas, no teu cheiro sempre insuportável a álcool. Não sei como é que se entende que aquele que nos ama, e que também supomos amar, nos olhe com tanto ódio e deixamos, em nome desse amor, que alguém nos faça tanto mal. Claro que a verdade tem dois caminhos, dirás tu. Quanto a mim, sei-o agora, confundi solidão com estar-se só. E, de certa maneira, morri. Morri lentamente. Morri ao longo de dez intermináveis anos. Longos, tão longos. Se calhar, pensas que te culpo. Agora já não. Nem a mim. Agora também já não me culpo a mim. A capacidade de nos perdoarmos é a única forma que temos de nos libertarmos. Assim é. E tu? Já te perdoaste?

10 comentários:

Happy and Bleeding disse...

(...)


*

Gabriel Pontes disse...

Olá amigo, gostei muito do texto e o título me chamou bastante atenção.

Quando fui olhar os seus favoritos vi que meu blog estava nele e fico muito agradecido, mas me pergunto por que você destacou aquele texto que eu publiquei a muito tempo atrás:)! Espero a resposta no meu blog pois estou curioso;)!

Abraços!

Inês disse...

Bonito, e duro... principalmente para quem viveu!!! o meu lema é:
"Perdoar é a maior qualidade que temos!"
Não sei se estará ao alcance de todos, importa que esteve ao teu!
A Mana

Rita disse...

Obrigada, Inês!

Souberam-me bem, muito bem, as tuas palavras.

Agora sei melhor, pelo teu sorriso, que valeu a pena perdoar!

Beijinho.

Esta mana. :)

Bruna disse...

Pedoar-se primeiro é fundamental para alcançarmos o perdão de outra pessoa...
Belo texto... Por meio de palavras você conseguiu mostrar bem o fim de um relacionamento.
e amei o titulo de seu blog...
E foi por ter digitado "o amor não existe" no google que eu o achei

Vertigo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vertigo disse...

também foram 10 anos.aquela dificuldade em conseguir olhar para dentro de nós,e encontrar o que há tanto estava esquecido.Sei...

vertigens1.blogspot.com/2008/06/whats-up.html

Um grande beijinho,sósia ;)

(rita)

C disse...

a capacidade de perdoar é a que mais pode fazer com que o proximo aprenda alguma coisa com os seus erros...

é realmente uma capacidade unica e rara mas bastante util para o bem estar de cada um, e de todos.

Anónimo disse...

Olá,
obrigado por escrever coisas assim.

Cecchetto.

Aline C.J disse...

Nossa que texto incrivel, adorei. O titulo me chamou muito a atenção, assim como titulo do blog. Otima forma de expressar o fim de uma relação.